Cidade

Educação

Geral

Com o objetivo de prestar melhor orientação e informação àqueles que necessitam do uso contínuo de medicamentos, principalmente, os hipertensos, diabéticos e pessoas com dificuldade de locomoção, o vereador Alain César de Abreu apresentou um projeto de lei, para que esse grupo de pacientes possa receber seus medicamentos em casa.

O projeto foi criado com base em um programa que o vereador desenvolveu no período de 2008 a 2012, no Posto da Vila Caldas, quando ocupava o cargo de coordenador da unidade.

A LEI

Publicada no diário oficial, em 22 de maio deste ano, e tendo 90 dias para entrar em vigor, a Lei nº. 1852/2014 ameniza o sofrimento de muitos pinhãoenses que precisam se deslocar até o posto para pegar seus medicamentos. A partir de agora, poderão recebê-los em seu domicílio, sem nenhum ônus e com o acompanhamento de uma equipe de técnicos da Secretaria de Saúde.

Serão contemplados os indivíduos que possuírem deficiência motora por enfermidade ou deficiência mental, portadores de doenças crônicas, como hipertensão e diabetes e idosos, a partir de 60 anos.

CADASTRAMENTO

Para receber os medicamentos, o individuo deve fazer um cadastramento nas Unidades Básicas da Família (UBS). Caso não seja possível realizar pessoalmente, poderá ser feito por terceiros com a apresentação de uma procuração e, no caso de incapazes, por seu representante legal.

O paciente receberá o medicamento suficiente para um mês de uso contínuo através do Programa Saúde da Família. A entrega será realizada após cada prescrição médica apresentada à UBF. A validade máxima para a concessão do benéfico é de seis meses e não poderá ser interrompida sem a autorização do médico, nesse período. Cessará a entrega somente quando o médico prescrever que não há mais a necessidade de uso do medicamento ou não tenha sido renovada a prescrição ao término de seis meses e será exigida uma nova consulta marcada pelo agente de saúde

EXPERIÊNCIA

Segundo Alain de Abreu, enquanto era coordenador do UBF da Vila Caldas, implantou o programa "Remédio em Casa", junto com os demais colaboradores, e os resultados foram positivos. Agora, na condição de vereador, apresentou o projeto de lei baseado nessa experiência e em seu sucesso. "Acredito que não haja dificuldades para que o projeto, que hoje é uma lei, tenha êxito. Haja vista que foi bem aceito no bairro. Segui exemplos de outros municípios, inclusive, alguns distribuem via correio".

Durante o período 2008 a 2012, em que o programa foi realizado naquela unidade, as entregas eram feitas por um agente de saúde acompanhado de um técnico ou auxiliar de enfermagem que afiria pressão, e conferir a HGT (glicemia), peso e outros. Ao longo do programa perceberam que situações foram surgindo. Alguns tomavam o medicamento de forma errada e, em certas ocasiões, faltava ou sobrava. "Acompanhamos de perto com orientações, tanto nos medicamentos como na nutrição. Como benefício para a UBF, muitos medicamentos eram devolvidos e poderiam ser úteis para outros pacientes. O fluxo de pessoas com doenças crônicas que só se dirigiam para UBF para apanhar o remédio diminuiu", explica.

Quando o vereador lançou o projeto os demais legisladores buscaram conhecer um pouco mais sobre os resultados de outras cidades, foram unânimes em um parecer favorável para que este se tornasse lei e abrangesse a área urbana e rural.

Como o prazo já passou, Alain de Abreu vai entrar com uma indicação na Câmara para que seja implantada a lei. "Deveremos reunir todos os profissionais da saúde de cada unidade. A partir da hora que a parte técnica da Secretaria estudar a melhor forma, as informações serão divulgadas nos jornais, rádios e redes sociais. Estamos lutando para que as reuniões com os hipertensos sejam reativadas, porque não está funcionando como antes", completa.


Foto: Vereador Alain Cesar de Abreu: autor do projeto


Politica

O juiz da 160ª Zona Eleitoral, Dr. Vinicius de Mattos Magalhães assinou a Portaria nº07/2014, regulamentando a propaganda eleitoral em Pinhão.

O Tribunal Superior Eleitoral tem considerado ilegal a colocação de propaganda eleitoral sobre áreas jardinadas e considerando o que dispõe o Código de Trânsito Brasileiro a portaria prevê que a partir das 13 h 35 de amanhã (25) fica estabelecido: a colocação de cavaletes, bonecos, cartazes, mesas para a distribuição de material de campanha e bandeira ao longo das vias públicas é permitida desde que assegurado o livre trânsito de pedestres e cadeirantes.

Deverá haver uma distância mínima de 2 (dois) metros entre um e outro objeto de propaganda móvel, permitindo o livre trânsito de pedestres e veículos nas vias públicas e calçadas.

Nas esquinas, a propaganda móvel deverá guardar uma distância mínima de 1,5 m (um metro e meio), evitando-se que eventual queda de objetos venha a prejudicar o trânsito de veículos.


Jardins



Não será permitida a colocação de propaganda eleitoral de qualquer natureza em locais caracterizados como praças, nem árvores e nos jardins localizados em áreas públicas, muros, cercas e tapumes divisórios. Como também os locais gramados com qualquer tipo de vegetação passível de cultivo ou ornamentação, inclusive as que se localizarem em canteiros centrais, ilhas e rotatórias de vai públicas. Considerando-se a possibilidade de danificação ao patrimônio público e eventual caracterização do crime previsto no art. 49 da Lei de Crimes Ambientais.



Som



As propagandas deverão ser colocadas e retiradas nos horários entre 06 e as 22 h. Pode-se ser utilizada aparelhagem de sonorização fixa e trio elétrico durante a realização de comícios no horário compreendido entre as 8 às 24 horas.

Mas é vedada a instalação e uso de alto-falantes ou amplificadores de som a uma distância inferior a 200 metros das sedes dos Poderes Executivo e Legislativo da União, dos Estados e dos Municípios das sedes de órgãos judiciais, dos quartéis e de outros estabelecimentos militares, bem como hospitais, casa de saúde, escolas, biblioteca pública, igrejas e teatros quando estiverem em funcionamento.



Multa



O descumprimento da presente portaria ensejará a aplicação de multa no valor de R$ 2 mil reais a R$ 8 mil reais, e obrigação de repara o patrimônio público, após o devido processo legal.



Para acessar a Portaria em sua íntegra acesse aqui



Nossa Gente


A equipe conta com 16 graduados preparados para competição.O judô é o único esporte pinhãoense que conseguiu chegar a um nível de paranaense, brasileiro e olimpíadas



 Atletas medalhistas, que se destacam no cenário nacional, integram a Seleção de Judô de Pinhão. A equipe conta com 16 graduados, preparados para competição.Torneios, Paranaense, Jogos da Juventude, colegiais e seletiva para o paranaense são alguns dos objetivos desses pinhãoense. Mas alguns se destacam e vão além: brasileiro e sul-brasileiro.



De acordo com José de Assis, o sensei Zezinho, fazia 2 anos e 8 meses que Pinhão não participava de torneios na região. Em agosto, uma equipe de 37 atletas seguiu até Prudentópolis. O resultado foi 18 medalhas de ouro e sete de prata. No tatame, enfrentaram competidores de Ponta Grossa, Guarapuava e Curitiba. "A menor cidade que estava lá era o Pinhão. A participação de nossos atletas foi excelente".

Esse e outros resultados deve-se à carga horária de treinos. Os atletas têm uma preparação de três horas diárias: "se trabalhar bastante, o resultado é bom; se quer ficar forte, o treino é forte", assegura o sensei.

Essa equipe das 18 horas segue para campeonatos oficiais porque são todos credenciados, possuem a carteirinha da Federação Brasileira de Judô. E no próximo mês, em outubro, a equipe pinhãoense segue para competir em São Paulo. "Vou levar oito atletas para a cidade de Registro".

Também em outubro, seguem para o Juventude e na Copa Paraná. De acordo com o professor Zezinho, só a elite paranaense estará lá, além dos convidados de Santa Cantarina e de São Paulo. "Eu sempre digo, se tem um grande evento, tem que ter pinhãoense participando. Eles merecem todos os parabéns. A dedicação é grande. Treinam três horas e meia, sem nutricionista para orientar e sem condições financeiras. E chegam na competição e garantem seu lugar. A minha faixa verde, Jaqueline Cruz, ganhou de uma faixa preta".

TITULOS

O judô é o único esporte pinhãoense que conseguiu chegar a um nível de paranaense, brasileiro e olimpíadas. A exemplo do faixa marrom Ireno Santos, que já garantiu lugar em duas olimpíadas. Quem também se destacou foi a judoca Jaqueline Soares, que seguiu para uma olimpíada e para o brasileiro.

Perseverança e vontade de vencer faz parte da vida desses apaixonados pelo judô, como Loriel Ribeiro, que é uma das inspirações para os colegas de tatame. Para poder treinar, vinha da localidade do Ribeiro a cavalo até uma altura, outro trecho fazia de bicicleta e, ainda pegava uma carona para chegar até o local de treinamento. "Uma história maravilhosa que acabou com um pinhãoense seguindo de avião para o Rio de Janeiro", frisa.

IRENO SANTOS

Outra história de superação é de Ireno Mathias de Lima dos Santos (foto), 18 anos. Filho de pai alcoólatra que abandonou a família. Ele ingressou no esporte aos 10 anos e, com o passar dos anos, garantiu seu passaporte ao lado dos melhores do Brasil. "Guerreiro e conhecidíssimo lá fora. Chamam ele de Pinhão. Todo mundo quer abraça-lo", garante seu sensei.

O faixa marrom conta que entrou no judô porque na época tinha problemas com disciplina e uma colega da sua mãe indicou o esporte. "Eu era meio revoltado, e como sempre gostei de artes marciais, eu e meu irmão entramos", lembra.

O atleta explica que desde o início treinava forte e com 12 anos passou a integrar a equipe dos adultos, o que contou a seu favor, porque queria se igualar a eles. Como foi sempre muito competitivo, já no primeiro campeonato oficial a nível paranaense que participou trouxe medalha. "Lembro que tinha 24 pessoas na chave".

A partir de então, conquistas e mais conquistas. Em 2010 seguiu para o Brasileiro em Goiás, no mesmo ano para Fortaleza, para as Olimpíadas Escolares. Participou de três sul-brasileiros em Balneário Camboriú, um deles foi campeão e nos outros assegurou o bronze. Sempre contou com o inventivo dos colegas e do seu técnico, e com 14 anos, era campeão sul-brasileiro. "Primeira vez que viajei de avião, nunca imaginava que poderia ter uma experiência como aquela. O esporte abriu muitas portas e oportunidades. Não conhecia a praia. Fiz muitos amigos integrando a equipe paranaense, convivendo com pessoas de todos os cantos. Só o judô pode me trazer tudo isso, além da saúde e da disciplina. É um compromisso que traz bônus. Uma experiência de vida", observa o jovem de 18 anos.

Hoje, o atleta concilia seu trabalho de vendedor e os treinos. Estava cursando a faculdade de Inglês até abril deste ano, mas como seu sonho é fazer Educação Física e não estava conseguindo treinar, desistiu. "Antes treinava quatro horas todo dia, até no sábado. Hoje consigo apenas três vezes por semana, no sábado cuido da parte física". Os planos são conseguir uma bolsa atleta para poder se dedicar ao esporte. "Para estar entre os melhores a dedicação é total. Dormir bem, alimentação correta, treinos fortes. Uma vida muito regrada. Um estilo de vida para poder chegar e ganhar", explica.

O próximo campeonato que irá participar será em outubro, nos Jogos da Juventude. Será sua aposentadoria no juvenil. Logo, quer passar para a faixa preta para encarar de igual para igual seus adversários na categoria junior, de 18 a 21 anos. "Muita gente forte e experiente, a maioria faixa preta. Para me igualar tenho que viver 100% do judô".



 



Jaqueline


 



 



Jaqueline Cruz coleciona 19 medalhas. Ela conquistou uma bolsa do Talento Olímpico do Paraná


JAQUELINE CRUZ

Outra atleta pinhãoense que se destaca é Jaqueline Beatriz da Cruz, de 15 anos. A faixa verde, que já deixou faixa preta na lona, mora no Bairro São José e estuda no Colégio Morski, sua mãe é dona de casa e seu pai auxiliar de produção.

Ingressou no judô com 9 anos, mas no início a bronquite não a deixava seguir rigidamente com os treinos. "Ficava internada. Mas com o esporte fui melhorando, fortaleceu meu pulmão, e nunca mais parei", conta a atleta.

No seu primeiro campeonato oficial, em 2012, garantiu medalha. Ouro no Paranaense e nos Jogos Escolares, seletivas, Olimpíadas em Minas Gerais, entre outros. "Representei o Paraná em Rondônia. Foi a primeira vez que entrei em um avião. No Paranaense, em abril deste ano, fui a vice-campeã. Há um mês, nos Jogos Escolares, fui prata. O que me atrapalhou foi a mudança de categoria, estar sem técnico e estar doente uma semana antes. Foram quatro lutas e me machuquei na segunda. Trinquei o dedo e rasguei o músculo do tendão do pé, mas, mesmo assim, lutei machucada e ganhei a semi-final, perdi na final para Curitiba", lembra.

Jaqueline mostra que a vida de um atleta profissional é de superação. A faixa verde pinhãoense já derrotou duas faixas pretas. Uma delas conseguiu encaixar uma chave de braço. "Em todos os campeonatos sempre encaro faixa roxa, marrom e preta".

Hoje, a nossa atleta coleciona 19 medalhas. Ela e Edwarda Dias, do voleibol, são as únicas pinhãoenses que conquistaram uma bolsa do programa Talento Olímpico do Paraná. "São para atletas com potencial para as Olimpíadas de 2016. Recebo 150 reais por mês durante um ano. Caso consiga mais títulos o valor pode aumentar", completa.

 


 



 

O Sindicato dos Bancários de Guarapuava e Região, entidade que atende 28 municípios tendo a sede em Guarapuava enviou comunicado a imprensa dando conta de que a partir de amanhã (30) as agências bancárias entrarão em greve. Em Pinhão o movimento poderá atingir as agências do Banco do Brasil, Bradesco e Itaú. As lotéricas e cooperativas de crédito não fazem parte da entidade.

A pauta tem além de reajuste salarial de 12, 5%, o fim das metas abusivas, do assédio moral, melhores condições de trabalho, aumento no número de funcionários nas agências, segurança, participação nos lucros, auxílio alimentação entre outros.

Na última quinta-feira (25) houve uma assembleia com os trabalhadores da classe onde foi apresentada uma proposta de aumento de 7 % e que foi imediatamente rejeitada e resultou na greve prevista para iniciar nesta terça-feira.

Uma nova assembleia foi marcada para a noite de hoje no auditório do Colégio N. S do Belém, com o objetivo de organizar a greve, definir tarefas e demais ações. Como o Comando de Greve, recebeu uma nova proposta da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) subindo de 7% para 7,35% o reajuste salarial, ela também será discutida, mas a principio ela deve ser rejeitada mantendo assim a greve.


Pagamentos e Recebimentos

Segundo o presidente da entidade Sandro José Zanona, no comunicado enviado a imprensa foi esclarecido que os clientes não seriam prejudicados. "Enviamos o comunicado para que a população possa ser organizar, pois os meios eletrônicos, internet e auto atendimento estarão à disposição dos clientes. Os aposentados poderão sacar seu beneficio através dos caixas eletrônicos. Caso não seja possível realizar pagamentos, o cliente deve procura a sua agência, assim que findar o movimento e pedir a estorno de juros e multas, mas deverá comprovar que não pode fazê-lo durante a greve", ressaltou.

Guarapuava é à base da greve, aos poucos os demais municípios deverão integrar o movimento, que iniciará em cada cidade somente após a visita de membros da diretoria que levarão demais informações e esclarecimentos a todos.



Fotos: Arquivo/Fatos do Iguaçu 


 

Será realizada no próximo domingo (14) mais um edição da Procofest, evento festivo e cultural realizado pela direção, corpo estudantil e pais do Colégio Estadual Procópio Ferreira Caldas. Uma das festas mais aguardadas no calendário escolar de Pinhão.

Segundo o diretor, professor Murilo Jocoski de Siqueira está tudo pronto para recepcionar os visitantes. "Começaremos com um passeio ciclístico saindo do colégio até o trevo e sua volta no mesmo percurso. As bicicletas que estiveram mais incrementadas serão premiadas. Em seguida haverá diversas atividades culturais apresentadas pelos nossos alunos e de outras escolas. Todas com cunho pedagógico e de aproximar mais a instituição da comunidade".


Procópio Ferreira Caldas

A festa começou com o objetivo de integrar a comunidade escolar com os professores e de divulgar o trabalho que acontece dentro da escola para fora de seus muros. No primeiro ano esta tinha com intuito homenagear o centenário de morte do patrono, o senhor Procópio Ferreira Caldas, foi mais de caráter histórico e com um resgate cultural bastante aprofundado. Nos anos seguintes passou a ser mais cultural e pedagógico com apresentação dos alunos.

Como todo evento este foi se aprimorando com o passar dos anos foram surgindo novas idéias, com a inserção de alunos, a demanda também aumentou. Com a integração da sociedade pinhãoense houve a necessidade de ser criar algo dentro da festa, surgindo assim uma modalidade esportiva bastante disputada a Corrida dos 13 pontos, surgida há três anos.



Treze pontos

A corrida é um dos pontos alto de evento, Murilo ressaltou que sempre há a colaboração espontânea de pessoas da nossa sociedade, professores de outras escolas, políticos, empresários entre outros que formam 13 duplas, onde cada uma percorre a distância de 80 metros, sagrando-se um vencedor. A premiação em dinheiro, cerca de 40% das apostas que custam R$ 1 real, fica para aqueles que marcarem o maior número de vencedores.

"Este ano estão inscrito 15 duplas para competir, criou-se uma rivalidade saudável entre os competidores, alguns buscam a revanche, outros tentam permanecer invictos", comentou o diretor.



Rainha

Dentro da programação também será coroada a rainha da festa. As candidatas são alunas da escola que buscam arrecadar o maior número de votos, os quais são vendidos pelo valor de R$ 0,50 centavos. Conforme contou Murilo, são 50 candidatas que disputarão o posto até minutos antes da revelação da vencedora, já que durante o evento elas estarão vendendo votos.

Finalizando a programação será feito o sorteio da rifa que tem como primeiro premio uma cozinha, segundo premio, uma churrasqueira elétrica e para o terceiro lugar um celular.

A festa é realizada na rua em frente ao colégio, haverá uma praça de alimentação com uma novidade o espetinho de carne moída, salgados em geral e doces. "Como nos demais anos não venderemos bebida alcoólica"



004 


 


O valor da multa é de 50 reais para quem entregar fora do prazo. Mas, se declarar dentro de 30 dias, ganha 50% de desconto



 


O prazo para a declaração do Imposto Territorial Rural (ITR) encerra nesta terça-feira, 30 de setembro. Devem declarar: pessoa física ou jurídica, titular de domínio útil ou possuidora a qualquer título; um dos condôminos, quando o imóvel pertencer a várias pessoas; e o inventariante, em nome do espólio, enquanto não for concluída a partilha. "Todos os proprietários de imóveis rurais", explica a contadora Ione Aparecida Cortes.

Para o cálculo do imposto anual é utilizada uma alíquota que varia de acordo com a área da propriedade e o seu grau de utilização, sendo utilizado apenas o valor da terra nua, ou seja, sem qualquer tipo de benfeitoria ou cultura. "É usada uma tabela com valores por hectare. Tudo depende da avaliação do imóvel".

Áreas de interesse ambiental como APPs, Reserva Legal, Servidão Ambiental, entre outras, podem resultar em isenção do imposto e para essa finalidade é necessário apresentar o Ato Declaratório Ambiental (ADA) da área junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Se o pagamento ocorrer até dia 30 de setembro não há acréscimos (juros). Sobre as demais quotas há incidência de juros SELIC calculados a partir de outubro até a data do pagamento.O pagamento do imposto pode ser parcelado em até quatro quotas mensais, iguais e sucessivas, desde que cada quota não seja inferior a 50 reais. O imposto de valor até 100 reais deve ser recolhido em quota única. O valor mínimo de imposto a ser pago é de 10 reais, independentemente do valor calculado ser menor. "É emitida uma Darf e pode ser paga em qualquer banco autorizado", conta Ione Cortes.

MULTA

É importante fazer a declaração no prazo para evitar multas e bloqueios em documentação. Se não estiver com a declaração atualizada, o produtor não terá acesso a documentos da propriedade como a Certidão Negativa, indispensável para registrar a compra ou venda da propriedade e para obter financiamento em banco. A entrega da declaração do ITR após o prazo também implica em multa de 1,0% ao mês sobre o total do imposto. "Multa e bloqueio. Fica com pendência na Receita Federal. O valor da multa é de 50 reais para quem entregar fora do prazo. Mas, se declarar dentro de 30 dias, ganha 50% de desconto, assim, a multa fica em 25 reais", informa a contadora.

 


 
 


Sedentarismo, problemas de saúde ou emocionais. Muitas são as causas da escolha do esporte para suas vidas


 


A Escolinha Municipal de Judô acolhe crianças a partir de 6 anos, vindas de todos os bairros da cidade e do interior. Além da parte técnica, o social também é trabalhado com elas. É exigido dos judocas boas notas escolares.

A turma da manhã é o pré-judô, composta por 28 crianças, de 6 a 14 anos. A turma da tarde é o pré-competição, formada por 25 a 30 crianças a partir de 8 anos. "Além da técnica, trabalhamos regras, arbitragem e a parte da alimentação", explica José de Assis, o sensei Zezinho.

Essas crianças são a base do judô pinhãoense. Os dois lados ganham. O Município e os atletas. Quem já passou pela escolinha pode provar. Muitas histórias de vida, exemplos de judocas que pisaram nesse tatame. "Temos piloto de avião, tenente do bombeiro, policial do choque, professor, médico. Marquinhos hoje é instrutor de aviação em Londrina, um deles é professor na Unicentro. O melhor cardiologista do Brasil, Leonardo Lacava, já passou por aqui. Sempre incentivei e incentivo nossos atletas a estudar. Não queremos apenas um grande atleta, mas também um grande cidadão. O grande campeão da vida. Recebi uma mensagem do Anderson que falava: ‘sensei, os teus ensinamentos eu levei para o exército, sai e fui para o bombeiro, passei no concurso e hoje sou tenente e piloto de avião; a perseverança que me passou levei para minha vida; e hoje sou o que sou, graças ao senhor'", orgulha-se.

Para estimular seus atletas, sensei Zezinho conta com a administração municipal que cede toda a estrutura. Providencia os quimonos, transporte, alimentação e paga as inscrições nas competições.


Mariane


Mariane Silva 


ALUNOS

Devido a problemas emocionais ou de saúde, muitas crianças são indicadas a praticar o esporte por seus médicos e psicólogos. Como é o caso do órfão Alan Cesar dos Santos Ferreira. O judoca de 12 anos ingressou no esporte há dois meses. Confessa que pensava que na escolinha iria brincar: "cheguei aqui e vi que a coisa é séria". Apesar de ser principiante, seguiu para o torneio em Prudentópolis e de lá trouxe a medalha de bronze: "perdi para dois faixas amarela", conta o morador da localidade de Invernadinha, que é aluno do 6º ano do Colégio Santo Antônio.

O professor conta que durante os treinos os iniciantes ficam tontos devido à má alimentação ou falta de preparo físico. Crianças acima do peso. "Vários casos de sedentarismo. Tem menino de 12 anos que está com 80 quilos".

Samuel Oliveira da Cruz, de 13 anos, morador do Bairro Mazurechem, desde o início dos treinos, em novembro de 2013, já sentiu melhora na sua saúde. Conta que tomava remédio controlado para convulsão. "Não tenho mais o problema e consegui emagrecer", relata. Ele também seguiu para Prudentópolis, lutou com um faixa amarela e um faixa laranja, garantindo a terceira colocação. "Fiquei um pouco nervoso na hora. Mas eu vi que não interessa a faixa, e sim, a raça".

O sexo feminino é bem representado no judô pinhãoense, com uma porcentagem média de 40%. A atleta Mariane Silva, de 11 anos, é uma delas. A estudante do Colégio Morski, que mora no Bairro São José, se transformou em uma judoca em março de 2012. A faixa amarela foi impedida de participar do último torneio devido a problemas de saúde. "Tonturas, dores de cabeça".


judo 03


Rafael Medeiros com o pai Ronaldo 


PAIS

O pai do pequeno João Lucas, de apenas 6 anos, conta que o filho treina há 20 dias. "Ele está gostando muito. O judô colabora na disciplina, e no caso do nosso filho, como moramos em apartamento, estava muito sedentário", conta Giovani D. Brolini.

Outro pai que acompanha o filho até a escolinha é Ronaldo Adriano Medeiros. Seu filho é o Rafael, morador do Bairro Dona Evanira e estudante do 3º ano do Colégio Eroni. "Agora está acompanhando bem, até em casa e na escola melhorou o comportamento".

HÁ 20 ANOS

A escolinha foi fundada há 20 anos em Pinhão, quando o sensei Zezinho chegou na cidade com o projeto voltado às crianças carentes. "Em 1991 eu trouxe o judô para o Pinhão. Agora, estou reassumindo a escolinha, nos fortalecemos este ano. Quando o Adaor Caldas assumiu a Secretaria de Esporte, me deu total autonomia para reativá-la. A perda não era somente dos atletas, mas também da sociedade e para a história de Pinhão, porque são 20 anos de caminhada", observa.

Quem quiser conhecer o espaço ou inscrever seu filho, pode seguir até o Ginasião nas segundas, quartas e sextas, das 9h30 às 11 horas, à tarde das 14h30 às 16 horas. E, à noite, a partir das 18 horas.

A turma da noite é composta por 16 atletas graduados. Uma equipe preparada para competição. É a Seleção de Judô de Pinhão.

 


 


Para poder suprir todas as necessidades dos moradores, Lar do Idoso enfrenta dificuldades financeiras



 Quem vai até a Associação São Francisco de Assis de Pinhão (ASFAPIN) para visitar os seus 42 idosos, verifica o clima familiar entre os moradores e seus cuidadores. E não podia ser diferente, porque os que lá estão nunca recebem a visita de seus parentes consanguíneos. 


Alguns foram abandonados e outros não possuem família. A nutricionista Francine da Rocha Costa, afirma que o maior problema enfrentado pelos moradores é a falta de atenção dos parentes. "Dá para contar nos dedos quem recebe uma visita, e a maioria dos internados têm família. De vez enquanto chega alguém da comunidade para conhecer o local, para conversar com eles", lamenta. 

Amadeu

 


A exemplo de José Osni e Cidinha, que moravam junto com Zoraldo de Deus Rocha, mas como eles, também estava idoso. "Como os dois dependiam de cuidados especiais, acabaram vindo para cá. Eles têm família, mas ninguém vem visitá-los".


Na hora da entrevista, meio confuso, José Osni, de 66 anos,disse que seu nome era Adeverci Lopes. Contou do seu entretimento: "ando pra lá e pra cá, olhando a turma".


Sentado ao seu lado estava Amadeus Nunes das Chagas de 78 anos (foto). Lembrou que foi mordido três vezes por cobra, na época que trabalhava na lavoura. Ele foi um dos primeiros a chegar na casa de caridade. "Converso com um e com outro. Convido para tirar uma ‘paia' comigo. Parte da sua família mora em Santa Catarina, mas tem uma filha que mora aqui em Pinhão, recentemente ganhei um neto. Ficou de trazer para eu conhecer, mas ainda não apareceu".


Outro pinhãoense, nascido no Arroio Bonito, é o Sebastião Franca de Oliveira, de 65 anos. Como os pais são mortos e tem apenas uma irmã que mora na localidade Dois Irmãos, morava sozinho. Chegou em 2012 depois de um derrame. Assim que saiu do hospital foi mandado para o Lar do Idoso. "Sai do Pinhão com 12 anos e fui pro trecho trabalhar. Estive em São Paulo, Rondônia, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, vários lugares até me aposentar", recorda. Sebastião afirma que é bem cuidado: "cortam a barba, o cabelo, as unhas, dão banho, remédio; durmo bem, como à vontade; não tomo chimarrão, mas gosto do horário do cigarrinho e de tomar sol".


Lauri Alves Ferreira, 70 anos, também tem muitas histórias para contar. "Trabalhei na madeireira Zatarlândia por 38 anos. Também fui domador de cavalos". O devoto de Santo Antônio mora na Associação São Francisco de Assis há 26 anos. Teve uma época que entrou em depressão e acabou caindo, o que resultou em uma quebradura no fêmur. 


As irmãs Doris e Natalia moram juntas no Lar do Idoso. Como também os irmãos Pricianos (Luiz e João). Outro morador é Manuel Paiano. Ele não possui nenhuma documentação, na verdade, não é certeza que esse seja o seu nome. Não consegue se comunicar e é um dos moradores mais antigos.  Quem também já está há algum tempo na casa é o Otacílio, o Eloi, o Sebastião Catego, Silvano, João Airton, João Boca e Cristina, que é surda e muda, mas sempre dá um jeito para se comunicar. Silvanira, Ana Heloisa, Anadir, Tiana, Amélia, Adão, Agemil, Angelina, Valdemir e Helena entraram recentemente.


Sebastiao 


 


Sebastião Oliveira e José Osni 


A MAIS IDOSA


A senhora mais idosa é Nathália Basílio. Com seus 84 anos, ela prefere se comunicar por aceno. Indica quando quer ligar a televisão, por exemplo. Prefere passar a maior parte do dia na sua cama. A nutricionista lembra que a única vez que a ouviu falando, foi um dia que que algumas mulheres promoveram no Lar um dia de beleza. "Ela falou: ‘crente não pinta a unha'. A gente tenta puxar conversa, mas ela não fala".


SEM TER PARA ONDE IR


Na Associação São Francisco de Assistem algumas pessoas que ainda não completaram 60 anos. Devido a problemas mentais ou alguma deficiência, estão ali porque não possuem nenhum parente ou a família não quer se responsabilizar. Como é o caso de Ezilda Velozo. "Os pais morreram e outros parentes não quiseram. Com um grau de deficiência mental, a cadeirante, mesmo não tendo idade, veio para cá. Devido à rejeição ela é muito carente. Para todos que chegam ela pede para que a levem junto para casa".


Um caso parecido é o de Antônio Covalski, de 66 anos. Com problemas mentais está na casa há 27 anos. Chegou com a mãe já idosa. Anos depois ela faleceu e ele, sem ter para onde ir, continuou no local.


Manuel 


 


Manuel Paiano empurrando a cadeira de rodas de Aninha 


DEPENDENTES


A maioria dos idosos é dependente. São cadeirantes ou acamados. "Felizmente, no momento, não possuímos nenhum acamado". 


Nas dependências, um quarto feminino bem espaçoso e quatro masculinos. A lareira, no hall de entrada, é um dos lugares preferidos dos moradores. Em dia de frio o local é disputado. "No inverno eles sofrem devido ao banho e por não possuirmos um sistema de aquecimento, o que ajuda bastante é a lareira", frisa Francine da Rocha Costa.


"SOMOS A FAMÍLIA DELES"


O café da manhã é servido até as 9 horas. O almoço das 11 até meio dia. O lanche às 15 horas e o jantar às 18 horas. "Frutas e leite à vontade". Duas equipes, com duas cozinheiras por dia, se revezam na cozinha. Ana Rosa Alves, trabalha há 2 anos e 5 meses. "Adoro trabalhar aqui. Tudo que fazemos eles elogiam". Quem também capricha no tempero e no carinho na hora de preparar as refeições é Noeli Meira, que está há um ano. "Gostam de atenção e carinho. São carentes porque recebem pouca visita. Nós, que convivemos com eles, é que somos a sua família".


SEJA UM DOADOR


Devido a dificuldades financeiras, a Associação São Francisco de Assis de Pinhão pede ajuda da comunidade para poder cuidar dignamente dos seus idosos, com idade entre 60 a 84 anos. Hoje, a despesa mensal fixa é de R$ 28.560,00. Só com funcionários R$ 16.400,00, sem contar com o valor quando o idoso fica internado e é preciso pagar a diária da cuidadora. 


De acordo com a coordenadora, Belém Syroca, o Lar do Idoso conta com um valor de R$ 1.650,36 que vem do Governo Federal, com as vendas do bazar, doações dos sócios e voluntários e prestação pecuniária do Fórum. Nos últimos cinco meses o valor da contribuição vinda dos sócios diminuiu muito. 


Para poder cobrir suas despesas mensais, a ASFAPIN quer mobilizar a população pinhãoense (empresários, comerciantes, profissionais liberais, donas de casa, outros) para que se tornem sócios. O valor fica a critério de cada um. As doações anônimas podem ser realizadas via depósito bancário: Banco do Brasil, agência 2450-3, conta corrente 22057-4. 


A ASFAPIN está situada na Rua Expedicionário Amarílio de Lima, 152, no Bairro Azaléia, próximo ao Corujão. Telefones para contato: 3677 2422 ou 9818 8916.



 



 


 

A secretaria de Educação e Cultura comunica que o desfile em comemoração a 7 de setembro, que deveria ter sido realizado no domingo (7) e foi transferido devido ao mau tempo, será na próxima quinta-feira (11) e não no domingo (14) como foi anunciado.

"Realizamos uma consulta com as escolas e em reunião com o prefeito Dirceu de Oliveira e com o secretário de Administração Orlei Diogo de Deus e foi optado por esta data, o horário, a concentração e a organização permanecem como já foi planejado. As escolas estão prontas e ornamentadas para desfilar", ressaltou a secretária Noriam Coelho Basílio.

Em Pinhão algumas festividades em escolas da sede e nas comunidades do interior também foram marcadas para o próximo domingo e assim muitos alunos não poderiam participar do evento. O município também estará participando do Jarcans e algumas modalidades têm sua disputa final neste mesmo dia.

Na sexta-feira (12) os professores participarão de mais uma etapa de capacitação em parceria com a Unicentro, uma data que não pode ser transferida.


PERCURSO

O desfile será dividido em 39 blocos. A Banda Municipal é a primeira a entrar na Rua 7 de Setembro, rumo à Praça Darci Brolini. Os participantes iniciam a apresentação na esquina com a Rua XV de Novembro. Logo atrás da banda estarão os Bombeiros, os Andarilhos e o Balé. Os alunos da Escola Santa Maria serão os primeiros a desfilar. A partir do sexto bloco, as crianças das creches Tia Clarinha, Orlando Diogo, Tia Felicidade, Jocemar Nestor e Cantinho do Céu.

O Colégio Decisão estará no 11º bloco. Logo atrás, estudantes da Nossa Senhora da Glória, Zattar, Cecilia Mireles, Frei Francisco, Nossa Senhora do Rocio, São Roque, Santa Terezinha, Água Verde, MaristellaTussi, Eroni S.Ferreira, Norberto Serápio, Nova Divinéia e Cipriano Santos.

A APAE também integra o desfile. A Escola Julio Moreira entra no 26º bloco, vindo em seguida, Procópio Ferreira Caldas, Cornélio Ribeiro, Bento Munhoz da Rocha Netto e Izaltino Rodrigues Bastos. A Escola Santo Antonio, a Casa Familiar e Paraná Alfabetizado desfilam em parceria. Sebastiana, Mário Morski, Ceebja e Foco de Luz também marcarão presença. Os trilheiros do Barro no Zóio serão os últimos a passar.

FANFARRA

As fanfarras estão se preparando desde o início do ano letivo, quando foi implantado o projeto Fanfarra na Escola. Esse ano o desfile contará com quatro fanfarras novas. Um total de 10.

Cem crianças de 10 escolas integram o projeto. Oito municipais (Divinéia, Maristela Tussi, Cipriano, Água Verde, Nossa Senhora da Glória, João José Zattar, Santa Terezinha, Cecília Meireles) e duas estaduais (Procópio e Santo Antônio).


 


O grupo de convivência e fortalecimento de vínculos para homens se reúne toda sexta-feira. Um lugar para troca de experiência, seja emocional, financeira, física, psicológica


 



 Desde o mês de maio deste ano, um grupo de convivência e fortalecimento de vínculos para homens se reúne toda sexta-feira para trocar experiências de vida. Falar de suas dificuldades e problemas. 


A conversa é nas dependências do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) Pinhão, na Vila Caldas. "Na assistência social se pensa sempre na mulher, idoso e na criança e a figura masculina acaba ficando de lado. Não tinha um espaço para expor esses problemas. É um trabalho pioneiro entre os Cras", afirma o coordenador e assistente social Albino Ricardo dos Santos Neto.


O Centro de Referência da Assistência Social (Cras), é uma unidade pública estatal descentralizada da política de assistência social. "Entendemos que a família é a base. E a sociedade é o reflexo da família. Ela tem que ser prioridade sempre. A assistência social é de quem dela necessitar", destaca.


A ideia do grupo de convivência surgiu da necessidade de um espaço para a figura masculina, que passou ou está passando por momentos difíceis em sua vida. Seja ele emocional, financeiro, físico, psicológico. Hoje, o grupo conta com nove pessoas com deficiência, entre elas, cinco cadeirantes, um com muleta e três deficientes visuais. "Alguns adquiriram a deficiência há pouco tempo e ainda estão aprendendo a superar seus limites. A interação e a convivência com os outros ajuda muito. Chegam e pensam que o seu problema é o maior do mundo, mas quando chegam aqui veem é que igual ao outro e pode ser superado", explica o psicólogo Ricardo Correia de Almeida.


As experiências de vida do colega faz a diferença para quem está chegando. A exemplo, dos dois deficientes visuais que fazem faculdade. "Eles apoiam o que recentemente perdeu a visão e que causou um abalo emocional muito grande. Formado, com sua profissão e a pleno vapor teve que parar de trabalhar".


Ao grupo de convivência foi dado o nome de "Tocando em Frente". A ideia surgiu na primeira atividade relacionada à música, cantaram junto a canção do Almir Sater e se identificaram. "Alguns casos podem ser revertidos como depressão, alcoolismo, mas alguns casos de deficiência física devem aceitar, se adaptar, e seguir a vida", frisam os coordenadores.


MUDANÇA


Hoje, contam com uma média de 12 participantes assíduos, mas o número chega a 20. O "Tocando em Frente" não é formado apenas por deficientes, conta com homens que passaram por problemas emocionais e entraram em depressão. Outros com vulnerabilidade devido ao desemprego ou ao alcoolismo. "Começam a perder a autonomia por falta de oportunidades, com relação ao próprio provimento da família. A cobrança sobre o homem é muito grande. Ele é sempre visto como uma pessoa independente e que não pode sequer, chorar", observa o assistente social.


A intenção é que todos tenham autonomia e possam, como seres humanos, ter uma vivência diferente. "Analisando o problema do outro, consegue resolver o seu. Dependendo do caso, se não tiver um acompanhamento adequado, entra em um buraco sem saída".


Com o passar do tempo, é visível a mudança, o comportamento de cada um. "Um dos senhores teve um problema com a filha e não conseguia superar. Ele não tinha com quem desabafar e encontrou esse espaço. E em todos as reuniões está aqui".


ATIVIDADES


As atividades são diversificadas e de acordo com a vontade dos participantes. "Como é um grupo para trocar experiências, seguimos conforme pedem e vemos a necessidade. Já tivemos uma tarde no bolão. Jogaram baralho, um passeio no horto, uma pescaria em um Pesque Pague. Por conta da acessibilidade, quando se pode imaginar que um deficiente visual possa pescar, devido ao perigo em um rio".


CONVITE


O espaço está aberto para quem quiser participar. Quem tiver um familiar que estiver necessitando desse tipo de ajuda pode procurar o Cras Pinhão e integrar o grupo de convivência para homens. "Estamos de portas abertas. Os participantes são bem receptivos".


SERVIÇO: mais informações no telefone 3677 3379.



Foto: Os coordenadores Ricardo Correia de Almeida e Albino Ricardo dos Santos Neto.



 


 
 

Os atletas pinhãoense representaram muito bem sua cidade entre os dias 22 e 24 de agosto, na segunda etapa do XVI Campeonato Brasileiro de Orientação, em Hidrolândia, no Estado de Goiás.

Tiago Evaristo na categoria H21B (homens adulto nível difícil) e Kamilla Komar na D21B (damas adulto nível difícil), superaram seus adversários e garantiram lugar no pódio. Eles conseguiram fazer a melhor rota em menos tempo.

O policial militar Tiago Evaristo começou a praticar a Corrida de Orientação quando ainda estava no Exército. Ele continua a participar de provas e também a difundir o esporte, mas encontra barreiras. "O esporte nasceu no Exército como estratégia militar, com o passar dos anos os civis também começaram a competir. A pouca divulgação é uma das dificuldades e como é um esporte amador, o patrocínio é mínimo. Para participar dessa etapa tivemos o apoio da Secretaria de Esportes".

ESPORTE

No esporte o atleta percorre um trajeto com alguns obstáculos, tendo como ferramenta o mapa topográfico do percurso, onde constam informações do terreno como árvores, riachos, cercas, entre outros. Para cada categoria a prova é diferente, apesar de ser no mesmo terreno. Quanto mais o atleta sobe na categoria, mais difícil é a prova, aumentando o número de obstáculos e o grau de dificuldade.

A fisioterapeuta Kamilla Komar conheceu o esporte através de Tiago e passou a acompanhá-lo nas provas. Assim que entrou na pista, lembrou que quando criança costumava percorrer a propriedade rural dos avós. Logo se identificou e passou a se dedicar cada vez mais.

A atleta conta que as dificuldades na realização da prova são conhecer a vegetação do local e os terrenos íngremes. Mas, destaca que é a união do útil ao agradável. "Praticamos esporte, que é uma atividade saudável, e temos a oportunidade de conhecer lugares novos, culturas diferentes. Nessa etapa conhecemos pessoas de Mato Grosso, Salvador, Ceará, entre outros. Na nossa região a vegetação é diferente, na etapa de Goiás o mato é muito alto, calor muito forte. O clima interfere bastante para a realização da prova".

CAMPEONATOS

Este ano, no Brasil estão sendo realizados campeonatos distintos. Um deles é em nível de Paraná e outro englobando todos os estados. Esse Campeonato Brasileiro consiste em três etapas, a primeira realizada em Olímpia, em São Paulo, a segunda e a terceira marcadas para o final de setembro em São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul. "Já participamos de duas das três etapas. Cada uma tem duas provas, totalizando seis. Para o resultado final é feita a somatória dos pontos das cinco melhores provas, a menos favorável é descartada", explica Tiago Evaristo.

PARANÁ

No estado esta sendo realizado o Campeonato Paranaense de Orientação, que terminará em novembro em Ponta Grossa e a segunda etapa, que aconteceu em 13 de abril foi realizada em Pinhão. Tiago lembrou que o município já sediou um campeonato mundial na localidade de Faxinal do Céu, mas só para militares.

Outro evento que Tiago e Kamilla estão se preparando é para o Campeonato Sul-americano que acontecerá em Torres/ RS, em dezembro deste ano.

ESCOLINHA

Em conversa com o secretário de Esportes, Adaor Caldas, o atleta acredita que para divulgar o esporte e aumentar o número de praticantes, é possível realizar um campeonato em nível de município. "É um esporte que toda a família pode praticar, a idade mínima é de 10 anos. Em certas ocasiões o pai cumpre seu trajeto e, em seguida, volta para auxiliar os filhos. Com uma escolinha ou um projeto, temos certeza que muitos talentos serão revelados. Em outros estados há o Campeonato Estudantil de Orientações e é possível que nossas futuras estrelas participem", frisa Tiago Evaristo.

SATISFAÇÃO

O secretário municipal de Esportes sente-se satisfeito pelos atletas poderem levar o nome do Município para outros estados. "Procuramos fazer o que está ao nosso alcance para incentivar aqueles que praticam esportes. O projeto deles será uma oportunidade de revelar novos talentos, a modalidade esportiva ainda não é muito conhecida, mas, com estas conquistas poderemos fazer com que muitos jovens se espelhem em Tiago e em Kamilla", comentou Adaor Caldas.

Pinhão tem todos os pré-requisitos para que o esporte seja praticado em qualquer nível e já foi palco de algumas etapas. "O Município oferece topografia adequada para essa prática desportiva. Vamos buscar meios para que o projeto se desenvolva", afirma o secretário.


Foto: Tiago Evaristo e Kamilla Komar e o secretário de esportes Adaor Caldas



 
 

Boletim Informativo

Para receber notícias e novidades digite seu e-mail.

 
 

Nome:

 
 

Email:

 

PUBLICIDADE

 
 


PUBLICIDADE



 
 

 

 
 
   
  Inicial
  Edições
  TV Fatos
  Política
  Fatos em Fotos
  Assine o Jornal
  Esporte
  Cidade
  Coluna Social
  Segurança
  Educação
  Agronegócio
  Geral
  Artigos
  Fatos Políticos
  Nossa Gente
  Nosso Interior
  Almanaque
  Enquête
  Histórico dos municípios:
  Pinhão
  Reserva do Iguaçu
  Assine o Jornal
  Anuncie
  Quem Somos
  Siga Fatos no Twitter
  Entre em Contato
 
 Google+
   
   
    © Copyright 2010 Jornal Fatos. Política de Privacidade
   
    Criação de Sites Guarapuava