Cidade

Educação

O departamento de Documentação Escolar da secretaria de Educação e Cultura de Pinhão já elaborou o calendário de matrículas e rematrículas para 2015, as datas ficaram assim distribuídas:

De 20 a 31 de Outubro: rematrículas para todas as séries, matrículas para alunos que irão frequentar a educação infantil (pré-escola) e 1º ano do ensino fundamental e para os Centros de Educação Infantil (Cmeis).

De 24 a 28 de Novembro: entrega das Cartas Matrículas aos alunos de 5º ano do ensino fundamental. "Em 2013 as cartas chegaram a tempo, não houve transtornos. Os pais neste período devem buscá-las nas escolas, que informarão a escola que o aluno frequentará em 2015", explicou Maria Celoi Padilha coordenadora do departamento de matrículas da secretaria de Educação.

De 01 a 05 de Dezembro: efetivação das matrículas dos alunos do 6º ano nas escolas estaduais, mediante a apresentação da Carta de Matrícula.

Dia 15 de Dezembro: início do cadastramento para espera de vaga escolar. "Caso os pais desejem que seu filho frequente outra escola e não a que está indicada no documento, faz este cadastro e aguarda uma possível vaga", contou Celoí.

Janeiro e Fevereiro de 2015: Continuidade das matrículas novas para os alunos provenientes da rede privada, de outros municípios ou estados e de alunos que desejam reiniciar seus estudos. Inicia também o período de transferências escolares. "O aluno que vier de outras localidades não ficará sem escola, porém, deverá frequentar a que tiver vaga disponível. Mesmo que o aluno encontre vaga em uma instituição longe de sua residência, ele pode utilizar o transporte escolar gratuito que o município oferece para se deslocar até a escola" frisou a coordenadora.




Geral


A apalpação não previne o câncer, simplesmente consegue fazer com que se diagnostique mais cedo, porque o tratamento quanto mais precoce significa 100% de eficácia





O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo, com estimativa de 57 mil novos casos só no Brasil este ano. E, apesar de atingir os homens também, as mulheres acima de 35 anos são o principal alvo.

Dentro da campanha Outubro Rosa, o Fatos do Iguaçu conversou com o médico Fernando Capuano, ginecologista da Clínica da Mulher de Pinhão. Ele falou sobre o auto exame, mamografia, sintomas e tratamento.

Para detectar algum nódulo ou alguma bolinha, é recomendável fazer o auto exame uma vez por mês, de preferência após uma semana após o período menstrual, quando a mama está menos dolorida. Para as mulheres que não menstruam mais, deve-se escolher um dia no mês.

Segundo o médico, o primeiro passo é fazer uma inspeção na mama. "De frente para o espelho, deve-se deixar os braços abaixados e ver se há uma simetria, uma igualdade entre as manas. Verificar o tamanho e a textura da pele, se tem alguma alteração ou não, se há alguma vermelhidão ou não".

Explica que o segundo passo é o toque. Deve-se erguer um braço atrás da cabeça e com a outra mão fazer a apalpação. Sempre da parte periférica até o centro, ou seja, da parte de fora até o mamilo. "Vai dedilhar com o indicador e o dedo médio a mama por inteiro". Terminada a verificação nas duas mamas, o próximo passo é a apalpação das axilas.

De acordo com Fernando Capuano, a paciente não tem obrigação de descobrir nódulo, mas fazendo o auto-exame vai perceber se um dia surgir algo diferente. "Se apalpar todo mês a mama e, se um dia aparecer, vai notar. Então ela virá até o médico para ele recomendar exames".

Para pacientes até 35 anos o exame solicitado é a ultrassom. Segundo o médico, é uma mama muito densa com pouca gordura e muito tecido granular. "Nesses casos a mamografia não pega muito bem. No geral, a mamografia é mais recomendada para um tecido com mais gordura, ou seja, para pacientes acima de 35 anos".

NÃO É PREVENÍVEL

O câncer de mama não é uma doença prevenível, ao contrário do câncer de colo de útero, devido o caráter genético e vários motivos, desde a alimentação até a falta de exercício físico. O ginecologista lembra que existe um estudo britânico que comprova que se mulher fizer 40 minutos de atividade física quatro vezes por semana, ela diminui drasticamente o risco de câncer de mama. Isso associado a uma alimentação rica em antioxidantes, em produtos naturais sem muitas toxinas, enlatados, embutidos.

"Todos são fatores de risco, igual ao cigarro, que tem até participação no câncer de colo de útero e de mama. Quanto menos fatores de risco tiver, menor a chance", observa, destacando que a apalpação não previne o câncer, simplesmente consegue fazer com que se diagnostique mais cedo, porque o tratamento quanto mais precoce significa 100% de eficácia.

SINTOMAS

O alerta é para alguns sintomas. Além da apalpação, deve-se reparar sensação de queimação, textura da pele e nunca pode ter secreção, a saída de líquido do mamilo. "Sinais de que não está normal. Não pode se desesperar. Deve vir até o médico para realizar os exames".

O médico conta que um câncer mais avançado vai deixar a textura da pele semelhante a textura da casca de uma laranja. E citou o exemplo de duas pinhãoenses, nos últimos dois meses. Pacientes beirando 50 anos, tabagistas de longa data e que não vinham muito ao médico. "Com o exame verificou-se a textura de casca de laranja e foi solicitada com urgência a mamografia, que, infelizmente, voltou com lesão sugestiva de câncer de mama. Não vinha ao médico e quando veio já estava em um grau bem avançado".

TRATAMENTO

O tratamento é individualizado, depende do tipo e do estágio da doença. Fernando Capuano explica que pode sugerir a retirada, ou seja, a mastectomia total ou parcial de um setor ou quadrante. Que seja feita quimio ou radioterapia, dependendo do caso.

MAMOGRAFIA

O médico faz questão de lembrar a importância da mamografia. Diz que a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e a Sociedade Brasileira de Mastologia recomendam o exame anualmente a partir dos 40 anos. "Existe uma nova política que como rotina só a partir dos 50 anos, as pacientes do Sus podem fazer acima de 49 anos. Mas, a Federação Brasileira não concorda e nós, médicos, também não. Continuamos fazendo solicitação anual a partir dos 40 anos".

E alerta para quem tem histórico familiar positivo para câncer de mama, principalmente casos de mãe e irmãs. O ginecologista avisa que a rotina deve iniciar aos 35 anos, mesmo sem sintomas nenhum.



 


Foto:Fernando Capuano: "O câncer de mama não é uma doença prevenível, ao contrário do câncer de colo de útero"


 


Politica

Nossa Gente

 


Os católicos movimentam os cemitérios nos dias que antecedem a data: limpeza, pintura ou reforma. A procura por flores e velas resulta em lucro aos lojistas



 


Dia de Finados, data em que os cristãos costumavam visitar os falecidos nas catacumbas de Roma. Com o passar dos anos, os papas Silvestre II, João XVIII e Leão IX incentivaram esta prática e desde o século XIII, dia 2 de novembro é a ela dedicada.

Outras religiões costumam respeitar a data, mas celebram de forma diferente. No México, por exemplo, é um dia de festa, as pessoas saem às ruas fantasiadas de esqueleto e até há encenação funeral.

Dentro da tradição secular, os católicos movimentam os cemitérios nos dias que antecedem o Finados. Os familiares preparam os túmulos, fazem limpeza ou até mesmo uma pintura ou pequena reforma.

Na data, mandam rezar uma missa na intenção dos falecidos e visitam o túmulo de seus entes. Levam flores e velas. O resultado é uma movimentação considerável no comércio.

José Dinis, supervisor de um supermercado, comenta que as pessoas já estão se preparando. "Procuram velas e flores artificiais. Ano passado as vendas foram significativas".

O Armazém das Flores também está se preparando para oferecer uma gama de variedades aos seus clientes. Segundo a Lurdes Benedeti Schmit, está recebendo encomendas de coroas e arranjos, que também podem ser feitas na hora. Conta que realizará o III Feirão das Flores entre os dias 29 de outubro e 2 de novembro. "Atenderemos em um horário especial: dia 1º, das 8h30 até as 18 horas. No dia 2, das 8h30 até as 17 horas, sem fechar para o almoço", avisa.

TÚMULOS

Nesse período também há muito trabalho para os pedreiros. Sebastião de Ramos foi contratado para realizar uma reforma em um dos túmulos do Cemitério Central. "Nesta época tem muito serviço. Para que fique mais apresentável, alguns pedem reforma completa e, outros, apenas uma pintura. O cemitério fica cheio é de pedreiros nesses dias".

Outro profissional do ramo é Cláudio Moraes. Ele afirma que esse tipo de serviço é procurado apenas nos dias que antecedem o Finados, depois acaba. "Estou reformando um túmulo a pedido do esposo e vou levar em média 10 dias para terminar. Também estou fazendo mais um aqui mesmo. Hoje as pessoas pedem uma pintura com grafiato, que fica muito bonito e é de fácil manutenção".

No Cemitério Frei Francisco de Assis Marcondes, na Vila Caldas, a movimentação dos pedreiros ainda é pequena. "Trabalho há mais de 40 anos com construção. As pessoas que nos contratam estão cada vez mais exigentes. Nessa capela, por exemplo, o proprietário contratou até uma arquiteta", comentou o construtor Ivan Oliveira Victor.

No mesmo local estava Gerson Bento, que presta serviços de revestimento de túmulos com granito e confecciona placas de identificação. "Nestes dias o serviço se intensifica".

 


 



Aulas oferecidas em cinco dias na
semana em seis escolas. Um total de 12 turmas



 



Este ano, entre os vários projetos que visam complementar a educação básica no Município, a secretaria de Educação e Cultura colocou em prática o projeto "Balé na Escola". O objetivo é educar pelo movimento integrando, socializando e despertando a arte da dança através de uma proposta pedagógica. A oferta é para alunos da rede municipal de ensino, matriculados do 1º ao 5º ano.

O projeto é uma extensão do Balé Municipal, oferecido à comunidade escolar nos anos 2012 e 2013, porém com algumas alterações. "Antes tínhamos apenas quatro turmas, com cerca de 20 alunos cada, e as aulas eram ministradas apenas um dia na semana. Uma oferta muito pequena diante da demanda de interessados", comentou a coordenadora, professora Celina Campos da Silva.

MODIFICAÇÕES

Para o ano de 2014, as aulas passaram a ser oferecidas cinco dias na semana em seis escolas de Pinhão. Atualmente, são 230 crianças entre meninas e meninos, num total de 12 turmas. Outra modificação é que o participante pode frequentar as aulas de balé em uma escola municipal próxima à sua residência, não somente na escola onde estuda. As aulas são realizadas no contra turno, ou seja, o aluno que estuda no período da manhã faz aula à tarde e vice-versa.

Para participar do projeto algumas regras devem ser seguidas. A disciplina é fundamental, e isso reflete na sala de aula e em casa, assim como a assiduidade, respeito com colegas e professores. Compromisso e dedicação também são cobrados para que a aluno permaneça no projeto. "A participação e motivação dos pais é grande e os alunos estão comprometidos", afirma a coordenadora.

Os alunos de pré-escola não foram incluídos, porque as turmas têm idades heterogeneas e para esse público é necessário uma classe com mais profissionais auxiliando a coordenadora, mas futuramente serão inclusos.

PONTINHA DOS PÉS

O grupo Pontinha dos Pés também surgiu em 2014. É formado por 12 meninas que já frequentavam o balé em anos anteriores e outras que se destacaram esse ano. "Estamos realizado apresentações dentro e fora do município, a última foi em Foz do Jordão. È um grupo à parte, pois elas ensaiam de modo diferente, trabalham com coreografia de balé clássico para apresentações", contou Celina.

MENINOS

No início, a coordenadora tinha nove meninos que frequentavam as aulas, mas só três deram continuidade. Quando percebeu que os alunos estavam desistindo, a professora Celina foi investigar o que estava acontecendo e constatou que alguns sofreram bulling na escola, inclusive de meninas. Outros, o pai não gostou muito da participação do filho nas aulas. Mas, felizmente, a situação começou a ser revertida com o Desfile Cívico realizado no último dia 11 de setembro. "Fiz questão de colocá-los na frente do grupo. Todos puderam apreciar a arte do balé. A partir de então, mais interessados começaram a aparecer. Agora contamos com mais quatro integrantes. E quando chego às escolas, muitos vem perguntar como são as aulas".

DEMANDA

O projeto pretende ampliar o número de aulas ofertadas. Segundo a coordenadora, uma das dificuldades é que não há profissionais que se identifiquem em ministrar aulas dentro da metodologia do balé clássico. "Quando iniciamos o projeto não esperávamos uma repercussão tão grande", justifica.

RESULTADOS EXCELENTES

A diretora da Escola Municipal Maristela Tussi, professora Margarete de Fátima Mendes Machado, conta que após o Desfile Cívico mais meninas procuraram a direção para iniciar as aulas. "As alunas estão indo muito bem. Melhorou a disciplina. Seguem as normas e as orientações sem problemas e algumas até estão comparecendo nas aulas de apoio. A participação dos pais também aumentou, eles sentem prazer de trazê-las na escola e é uma oportunidade para conhecerem as demais atividades da escola, assim, passam a participar mais", avalia.

SONHO DE MENINA

Para a pedagoga Geni de Almeida Ribas, da Escola Municipal Nossa Senhora da Glória, esse é um dos melhores projetos do Município. "A professora Celina é uma excelente profissional. As crianças não faltam. Depois do desfile a procura aumentou consideravelmente. As mães se sentem realizadas vendo suas filhas participando do balé, incentivam e veem nelas o sonho de menina que não puderam realizar".

SATISFAÇÃO

A secretária de Educação, Noriam Coelho Basílio, lembrou que ao assumir a pasta o projeto já existia, mas com outro formato. Porém, a única reclamação das mães é que não havia um local definido para as aulas. "A Celina era professora de Educação Física concursada e, após conversa, resolvemos que ela deveria ficar somente ministrando as aulas do projeto. Assim, foi possível realizar algumas alterações e logo percebemos a empolgação das crianças, o empenho dos pais e a melhora no desempenho das apresentações".

Os resultados são tão expressivos que a secretária proporcionou uma melhor qualificação à professora de balé, através de cursos de aperfeiçoamento. "Ela se identifica com o projeto, se empenha nas aulas. Temos planos de ampliar o projeto além da rede municipal. Devemos avaliar alguns fatores como tempo da professora, horários, entre outros. Diretores e professores comentam que os alunos que participam estão demonstrando reflexos positivos em sala de aula", declarou Noriam.

Fotos: Apresentação das alunas do Balé na Escola na abertura dos jogos da Criança. (Fotos: Gisele de Pádua/Fatos do Iguaçu )



 



Bale 2


 


Bale 3 


Bale 4 

 


 




 
 
 

A secretaria de Esportes, em parceria com a secretaria de Educação e Cultura, realizará entre os dias 06 a 10 de outubro os Jogos da Criança, com abertura na segunda-feira (6), às 13h30min no Complexo Esportivo Rubens Spengler (Ginasião).

Serão duas categorias: A para os nascidos em 2004 e 2005 e B para os nascidos sem 2006, 2007 e 2008, tanto para meninas como para meninos. E as modalidades disputadas serão Atletismo, Lance Livre, Estafeta, Futsal, Queimada, Saque Livre e Xadrez.

Os locais de provas acontecerão no Ginasião, Ginasinho, porém, o Xadrez será disputado na secretaria de Esportes. Os vencedores dos três primeiros lugares receberão medalhas e o campeão geral das categorias A e B levarão troféu.

"As modalidades Lance Livre, Estafeta e Queimada são modalidades de iniciação para o basquete, atletismo, handebol e vôlei. O congresso técnico aconteceu dia 01 de outubro na secretaria de esporte e a abertura acontece dia 06 de outubro as 14 h no Ginasião." explicou Jhow.

Segundo a secretária de Educação, Noriam Coelho Basílio, as escolas da rede municipal e mais as duas particulares se farão presentes. "O objetivo é educar, participar, integrar os alunos e que possam fazer uma boa convivência social. È um momento muito mais pedagógico do que de competição".

Dentro desta parceria o trabalho da secretaria de Esportes será a organização de equipes dos jogos e a parte técnica. A secretaria de Educação realizará o transporte dos alunos e o lanche.


 


Com o tema "Noite do Glamour", a escolha será em dois momentos


 


Em mais uma edição do Rainha do Comércio, este ano as concorrentes são meninas de 13 a 20 anos. A organização é do Conselho da Mulher Empresária da Associação Comercial e Empresarial de Pinhão (Aciap).

Com o tema "Noite do Glamour", o evento terá dois momentos. No Espaço Kallabary, dia 8 de novembro será a primeira eliminatória. Dessa noite sairão quinze candidatas para a grande final, no dia 15 de novembro.

A Rainha do Comércio 2013, Karoline Svitalski, que representou o Nosso Supermercado, passará a faixa para a que mais encantar os jurados. Também serão escolhidas a primeira e a segunda princesa.

A presidente do Conselho da Mulher, Ana Raisa Camargo Rocha Bueno, explica que cada participante representará uma empresa pinhãoense. "Tem empresário que inscreve uma funcionária, uma filha ou conhecida, mas, como a menina que quiser participar do concurso pode se inscrever diretamente na Aciap, a empresa que não tiver uma representante, terá uma através de sorteio".

Até o momento já foram inscritas 35 candidatas, mas até o encerramento das inscrições o número deverá ser maior.

JURADOS

Noventa por centro dos jurados virão de fora. "Convidamos membros da Associação Comercial de Guarapuava e de Reserva do Iguaçu, de clínicas e empresas guarapuavanas voltadas à estética e professores de cursos de estética. Também membros da Cacicopar, da região influentes no cooperativismo. Optamos por pessoas de outras cidades para que nenhuma empresa local seja privilegiada", afirma Ana Raisa Camargo Rocha Bueno.

Os jurados irão avaliar beleza, simpatia e passarela. Na primeira noite as candidatas usarão vestidos estilo festa. Na última noite desfilam com longos. "Beleza e glamour. Tudo que cada uma apresentar contará pontos".

As empresas que aderirem ao evento pagam uma taxa de inscrição, que custeará a maquiagem, cabelo, decoração do local e a premiação. Os trajes ficarão por conta das empresas associadas do setor de vestuário e aluguel.

 


 
 


Mulheres e jovens de Pinhão e de diversas regiões do Paraná, Minas Gerais e de Santa Catarina











A Unicafes Paraná, através do Programa de Gênero e Geração, realiza a 1ª Feira Exposição da Agricultura Familiar, dias 14 e 15 de outubro, em Pinhão. O evento conta com a parceria e apoio da Cresol e da Prefeitura de Pinhão e faz parte da comemoração do Dia Internacional da Mulher Rural.

No Parque Coronel Lustosa, os participantes terão várias opções. Entre elas, a Feira de Produtores das Mulheres Rurais, debates, apresentações, oficinas, homenagens, café colonial, concurso de receitas, premiações, entre outros.

Segundo Claudemara Veiga, coordenadora municipal do Programa Gênero e Geração, a expectativa é receber 1.500 a 2.000 pessoas de diversas regiões do Paraná, além de algumas de Minas Gerais e de Santa Catarina. "De Pinhão serão umas 300 mulheres, o restante de fora. Os grupos estão confirmando presença. Além de um pessoal do Ministério das Comunicações, do Ministério da Agricultara e da Pesca, do BNDES".

Karla Hora, da Secretaria de Política para as Mulheres, dia 15 fará uma palestra e lançará um projeto para a região.

Também dentro da programação, no dia 14, terça-feira, a partir das 9h30, será realizado o Encontro da Juventude Rural. E, dia 15, quarta-feira, é a vez do Encontro Interestadual do Dia da Mulher Rural.

TEMA

Esse ano, o encontro abordará o tema "Sucessão rural e agricultura familiar", uma homenagem que se estende também aos jovens agricultores, responsáveis por dar continuidade do trabalho dos pais no campo, replicando assim suas heranças tradicionais e valorizando a cultura local.

Na exposição-feira de produtos da agricultura familiar, representada pelos grupos produtivos do Programa Gênero e Geração, destacam-se a panificação, frutas, derivados da cana de açúcar, mel e artesanatos variados.

RECEITAS

Uma das atrações de 2014 é o Concurso de Receitas. As finalistas apresentarão suas receitas e pratos para apreciação e julgamento durante o evento, com posterior premiação. Essas receitas farão parte de um livro de receitas.

O concurso tem a finalidade de ampliar a valorização dos grupos de mulheres rurais, fortalecer o reconhecimento de seus produtos e consolidar a auto-organização das mulheres cooperativistas.




 
 


A equipe conta com 16 graduados preparados para competição.O judô é o único esporte pinhãoense que conseguiu chegar a um nível de paranaense, brasileiro e olimpíadas



 Atletas medalhistas, que se destacam no cenário nacional, integram a Seleção de Judô de Pinhão. A equipe conta com 16 graduados, preparados para competição.Torneios, Paranaense, Jogos da Juventude, colegiais e seletiva para o paranaense são alguns dos objetivos desses pinhãoense. Mas alguns se destacam e vão além: brasileiro e sul-brasileiro.



De acordo com José de Assis, o sensei Zezinho, fazia 2 anos e 8 meses que Pinhão não participava de torneios na região. Em agosto, uma equipe de 37 atletas seguiu até Prudentópolis. O resultado foi 18 medalhas de ouro e sete de prata. No tatame, enfrentaram competidores de Ponta Grossa, Guarapuava e Curitiba. "A menor cidade que estava lá era o Pinhão. A participação de nossos atletas foi excelente".

Esse e outros resultados deve-se à carga horária de treinos. Os atletas têm uma preparação de três horas diárias: "se trabalhar bastante, o resultado é bom; se quer ficar forte, o treino é forte", assegura o sensei.

Essa equipe das 18 horas segue para campeonatos oficiais porque são todos credenciados, possuem a carteirinha da Federação Brasileira de Judô. E no próximo mês, em outubro, a equipe pinhãoense segue para competir em São Paulo. "Vou levar oito atletas para a cidade de Registro".

Também em outubro, seguem para o Juventude e na Copa Paraná. De acordo com o professor Zezinho, só a elite paranaense estará lá, além dos convidados de Santa Cantarina e de São Paulo. "Eu sempre digo, se tem um grande evento, tem que ter pinhãoense participando. Eles merecem todos os parabéns. A dedicação é grande. Treinam três horas e meia, sem nutricionista para orientar e sem condições financeiras. E chegam na competição e garantem seu lugar. A minha faixa verde, Jaqueline Cruz, ganhou de uma faixa preta".

TITULOS

O judô é o único esporte pinhãoense que conseguiu chegar a um nível de paranaense, brasileiro e olimpíadas. A exemplo do faixa marrom Ireno Santos, que já garantiu lugar em duas olimpíadas. Quem também se destacou foi a judoca Jaqueline Soares, que seguiu para uma olimpíada e para o brasileiro.

Perseverança e vontade de vencer faz parte da vida desses apaixonados pelo judô, como Loriel Ribeiro, que é uma das inspirações para os colegas de tatame. Para poder treinar, vinha da localidade do Ribeiro a cavalo até uma altura, outro trecho fazia de bicicleta e, ainda pegava uma carona para chegar até o local de treinamento. "Uma história maravilhosa que acabou com um pinhãoense seguindo de avião para o Rio de Janeiro", frisa.

IRENO SANTOS

Outra história de superação é de Ireno Mathias de Lima dos Santos (foto), 18 anos. Filho de pai alcoólatra que abandonou a família. Ele ingressou no esporte aos 10 anos e, com o passar dos anos, garantiu seu passaporte ao lado dos melhores do Brasil. "Guerreiro e conhecidíssimo lá fora. Chamam ele de Pinhão. Todo mundo quer abraça-lo", garante seu sensei.

O faixa marrom conta que entrou no judô porque na época tinha problemas com disciplina e uma colega da sua mãe indicou o esporte. "Eu era meio revoltado, e como sempre gostei de artes marciais, eu e meu irmão entramos", lembra.

O atleta explica que desde o início treinava forte e com 12 anos passou a integrar a equipe dos adultos, o que contou a seu favor, porque queria se igualar a eles. Como foi sempre muito competitivo, já no primeiro campeonato oficial a nível paranaense que participou trouxe medalha. "Lembro que tinha 24 pessoas na chave".

A partir de então, conquistas e mais conquistas. Em 2010 seguiu para o Brasileiro em Goiás, no mesmo ano para Fortaleza, para as Olimpíadas Escolares. Participou de três sul-brasileiros em Balneário Camboriú, um deles foi campeão e nos outros assegurou o bronze. Sempre contou com o inventivo dos colegas e do seu técnico, e com 14 anos, era campeão sul-brasileiro. "Primeira vez que viajei de avião, nunca imaginava que poderia ter uma experiência como aquela. O esporte abriu muitas portas e oportunidades. Não conhecia a praia. Fiz muitos amigos integrando a equipe paranaense, convivendo com pessoas de todos os cantos. Só o judô pode me trazer tudo isso, além da saúde e da disciplina. É um compromisso que traz bônus. Uma experiência de vida", observa o jovem de 18 anos.

Hoje, o atleta concilia seu trabalho de vendedor e os treinos. Estava cursando a faculdade de Inglês até abril deste ano, mas como seu sonho é fazer Educação Física e não estava conseguindo treinar, desistiu. "Antes treinava quatro horas todo dia, até no sábado. Hoje consigo apenas três vezes por semana, no sábado cuido da parte física". Os planos são conseguir uma bolsa atleta para poder se dedicar ao esporte. "Para estar entre os melhores a dedicação é total. Dormir bem, alimentação correta, treinos fortes. Uma vida muito regrada. Um estilo de vida para poder chegar e ganhar", explica.

O próximo campeonato que irá participar será em outubro, nos Jogos da Juventude. Será sua aposentadoria no juvenil. Logo, quer passar para a faixa preta para encarar de igual para igual seus adversários na categoria junior, de 18 a 21 anos. "Muita gente forte e experiente, a maioria faixa preta. Para me igualar tenho que viver 100% do judô".



 



Jaqueline


 



 



Jaqueline Cruz coleciona 19 medalhas. Ela conquistou uma bolsa do Talento Olímpico do Paraná


JAQUELINE CRUZ

Outra atleta pinhãoense que se destaca é Jaqueline Beatriz da Cruz, de 15 anos. A faixa verde, que já deixou faixa preta na lona, mora no Bairro São José e estuda no Colégio Morski, sua mãe é dona de casa e seu pai auxiliar de produção.

Ingressou no judô com 9 anos, mas no início a bronquite não a deixava seguir rigidamente com os treinos. "Ficava internada. Mas com o esporte fui melhorando, fortaleceu meu pulmão, e nunca mais parei", conta a atleta.

No seu primeiro campeonato oficial, em 2012, garantiu medalha. Ouro no Paranaense e nos Jogos Escolares, seletivas, Olimpíadas em Minas Gerais, entre outros. "Representei o Paraná em Rondônia. Foi a primeira vez que entrei em um avião. No Paranaense, em abril deste ano, fui a vice-campeã. Há um mês, nos Jogos Escolares, fui prata. O que me atrapalhou foi a mudança de categoria, estar sem técnico e estar doente uma semana antes. Foram quatro lutas e me machuquei na segunda. Trinquei o dedo e rasguei o músculo do tendão do pé, mas, mesmo assim, lutei machucada e ganhei a semi-final, perdi na final para Curitiba", lembra.

Jaqueline mostra que a vida de um atleta profissional é de superação. A faixa verde pinhãoense já derrotou duas faixas pretas. Uma delas conseguiu encaixar uma chave de braço. "Em todos os campeonatos sempre encaro faixa roxa, marrom e preta".

Hoje, a nossa atleta coleciona 19 medalhas. Ela e Edwarda Dias, do voleibol, são as únicas pinhãoenses que conquistaram uma bolsa do programa Talento Olímpico do Paraná. "São para atletas com potencial para as Olimpíadas de 2016. Recebo 150 reais por mês durante um ano. Caso consiga mais títulos o valor pode aumentar", completa.

 


 




 
 

Boletim Informativo

Para receber notícias e novidades digite seu e-mail.

 
 

Nome:

 
 

Email:

 

PUBLICIDADE

 
 


PUBLICIDADE



 
 

 

 
 
   
  Inicial
  Edições
  TV Fatos
  Política
  Fatos em Fotos
  Assine o Jornal
  Esporte
  Cidade
  Coluna Social
  Segurança
  Educação
  Agronegócio
  Geral
  Artigos
  Fatos Políticos
  Nossa Gente
  Nosso Interior
  Almanaque
  Enquête
  Histórico dos municípios:
  Pinhão
  Reserva do Iguaçu
  Assine o Jornal
  Anuncie
  Quem Somos
  Siga Fatos no Twitter
  Entre em Contato
 
 Google+
   
   
    © Copyright 2010 Jornal Fatos. Política de Privacidade
   
    Criação de Sites Guarapuava